sábado, 27 de maio de 2006

As regras


Começo de menstruação, sangue pouco é bobagem. A libido sobe pelas paredes comigo, quebra as pontas de unhas já curtas, escabela o impossível, e não há chuveirinho de água fria, água morna que sossegue meu corpo, feito bicho, tem também o espelho com celulite na perna, os cabelos brancos e a carne putrefata dos anos idos, que me desassossega ainda mais e digo isso tudo sem meias palavras, na cara dela, ela me manda tomar no cu e sai porta afora, vai comprar o pão na padaria, como se tomar no cu fosse ruim, pode doer, mas o que mais dói é a entrega que dar o cu não é mesmo pra qualquer um, a casa vira jaula silente, eu insegura entre tesão e tpm, disfarço com um livro na mão, me sento na poltrona e deixo pra tomar no cu só mais tarde.

6 comentários:

cacau segobia disse...

só pra saberes que estive aqui... Concordo plenamente, tomar no cu não é pra qualquer um... cacau.

xiclet disse...

;)

:*

Anônimo disse...

Gle

Ganhou uma fã. Adorei esse lance de tomar no cu. Engraçado, poético.

Anônimo disse...

Finalmente voltaste a me fazer companhia nas tardes tediosas de arduo trabalho.

Anônimo disse...

Minhas tardes continuam esperando...
Sinme...

cubículo disse...

quando a gente anda tendo essas sensações, a gente deseja se encontrar em cada objeto.