quarta-feira, 7 de junho de 2006

Da falta


Da fantasia fez-se o lábio, a boca, lábios que nem toquei, que desejei mais que o meu maior querer, molhada sempre de palavras, pelos olhos entraram as letras e se transformaram em líquido espesso, se espalhando pelo meu corpo, desejo, puro desejo, é o final da tua frase no meu ouvido, meu corpo estremece doente da presença invisível, da lonjura que sustenta o encanto, sinto estes dedos em mim, por fora e por dentro e gozo em palavras. Ando sempre no mesmo lugar, na tua casa, na tua cama, paisagem única na minha cabeça, cruzo as pernas escondendo dos outros o desejo que escorre e molha a minha calcinha, todo mundo vê, todo mundo sabe, eu imóvel nessa mesa de café, tua presença constante, quase febril de vontade, da vontade que cresce e toma conta de mim, por um triz, por um triz, não largo tudo e corro na tua direção, sem resposta, com promessa, pela promessa. Envelheci vinte anos na angústia de não te ter ontem, da falta da tua boca no meu corpo, na minha boceta, e gozar você entre minhas pernas. E me dói a nuca, e me doem as costas, e dor de corpo não é, é dor maior, da falta do que não tive, da ilusão do que poderia ter.

4 comentários:

xiclet disse...

aff..

AMO saciar desejo assim.. :P

;)

Anônimo disse...

Quem será?

Sinme Castro

J.Carneiro disse...

Bombom... so acho, humildemente, que com isso tUUUDO se ganham anos e nao se perdem 20. beijos!

Claudio R. disse...

Li muitos, mas não todos, quero voltar, quero reler os outrora lidos e ler o que ainda não li, me deliciar dos teus contos e encantos. Mágico, muito mágico, eu gostei muito e vou voltar...

Destaque para Primeira Vez, Andança no Masculino, Banheiro e Da falta...

Um forte abraço,