domingo, 20 de agosto de 2006

Folhetim


Partiu com chuva e frio sem guarda chuva ou casaco, num domingo à tarde, depois do sexo sobre o sofá, no corredor, sobre a cama, ficou a xícara preta de café deitada sobre a mesa e eu estirada no chão implorando, vem cá Luiza. Assim é Luiza. A conheci calada num lançamento de livro, estava lá pelo vinho de graça, eu também, algo em comum tínhamos, as repetidas idas ao banheiro também, bexiga pequena. Cruzamos olhares na primeira vez, mãos na segunda, e na terceira eram bocas por detrás da porta, por sobre o vaso num banheiro apertado. Vestia calça jeans de cintura baixa coroada pelo bordo de uma cueca, um desenho tribal sobre o elástico branco, frisos na vertical do tecido que descia colado a bunda, elástico justo na cocha, e a barriga magra arfando, a folga frontal do tamanho de uma mão, da minha mão. Encantada inseri para sempre naquele dia meu nome na longa lista no folhetim de Luiza.

6 comentários:

geraldo disse...

Luíza é MEU nome de guerra!!!
Vinho de graça, não perco....Rs
Adoro o blog!
bjus

BF. disse...

Te enviei um e-mail, dê uma olhada assim que puder.

Aguardo seu contato,
beijos,
BF. [UNV]

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

gamei no blog...

Anônimo disse...

Será que resta espaço no folhetim de Luiza???
Rsrs
Boa, muito boa!!!

Anônimo disse...

A propósito, cadê o dessa semana???? Tá atrasado!!!