quinta-feira, 7 de setembro de 2006

Festa


Rolou por cima da mão direita a bolinha de gude colorida, azul esverdeada da cor do mar, o frio do vidro seguiu o caminho da veia exposta nas costas da mão, éramos seis. Olhou fixamente pela janela o vizinho trocando de roupa por detrás da cortina transparente, ou seria a vizinha, se exibindo na lentidão dos movimentos, se exibindo. Gargalhou mais que o necessário deitada sobre a almofada azul, como se houvesse o mais que o necessário ouvindo sobre, sobre o que mesmo? A garrafa de cerveja escapou por entre os dedos encharcando o assoalho negro, a menina sorriu, sorriu mais e mais alto, o pano de chão rastejando submisso sob um pé desnudo veio sorver o líquido. Éramos seis, seis iluminados pela centelha brilhante na ponta do cigarro, de mão em mão, de boca em boca.

4 comentários:

Perdita disse...

pensamentos tão sutis. adorei!

Pinkerton disse...

Cheguei aqui a partir do blog da Nana, adorei o que li aqui! Parabéns! ;-)

geraldo disse...

Simplesmente lindo os desenhos e as gravuras....vc desenha tb??
Geraldo era nome do único homem que ja confiei (meu falecido gato).
Luíza...Adoro esse nome...
Bju linda!!

geraldo disse...

Simplesmente perfeito ...
Amei os desenhos, vc desenha??
Geraldo foi nome do único homem que confiei (meu falecido gato geraldo).
Luíza, nome forte sempre goostei, pena que a gente não escolhe o próprio nome...
Bju