quarta-feira, 16 de agosto de 2006

Solução pra quentura das noites


Solta o ar pela boca, o ar quente se confunde com essa réstia de bafo vindo da fresta da janela, alta noite nessa cama quente, nessa noite infernal, vira e desvira corpo e pensamentos, procurando a posição correta, a idéia fresca que a durma. Meia cama é o espaço que lhe cabe, que ali no outro lado, na outra metade, tem a outra, com a quentura do sol, Teresa emana calor dormindo e goteja suor ao toque de seu corpo, delineia uma fronteira invisível nesse lençol amarfanhado das reviravoltas do quase dormindo, Marta bebe água, quente a água da garrafa plástica, molha cabelos e pêlos, olha o preto do teto e se rende, se rende ao calor, à fadiga, à insônia, encaixa em Teresa pelas costas, cola pernas, peitos nas costas, boca no pescoço, mão no delta de Vênus e encharcada de suor se entrega aos prazeres no inferno.

5 comentários:

xiclet disse...

woww.. :D

nossa.. isso foi pra eu n dormir hoje.. hauheauue

;P

eita.. brigada, serio..
beijo mordido, q vc (não pela 1ª x) tornou meio esmomeado.. hehe

Perdita disse...

Adorei a forma como dedilha as palavras.

Tigre disse...

Desculpa aí ô portuguesa, mas foi prá mim.

Perdita disse...

leio e releio os prazeres do inferno que elevam aos céus.

Sandra S. disse...

Adoro como você escreve!!! Bom demais!!!
Beijo!