segunda-feira, 21 de julho de 2008

O ovo roubado

Há cento e cinqüenta milhões de quilômetros está o sol, depois Mercúrio e Vênus, logo em seguida a atmosfera, atravesso nuvens esparsas, desço avidamente de encontro à floresta, às copas verdes das árvores, pinheiros americanos, a cancela e o homem da cancela, a segunda cancela e o homem da segunda cancela, uma casa geminada num condomínio fechado, um dia de sol depois de uma noite de frio, o ar da montanha, a mão dela na minha, a minha mão na boca da ovelha, uma estrada de pedras, um lago, um pato, uma pata, um ovo, outro ovo querendo nadar no lago. Dois ovos embrulhados num cachecol.Ei, você pegou o ovo que estava aqui?Não, eu guardei lá! O caminho de pedras, a segunda cancela, a porta de casa, a frigideira, os melhores ovos mexidos do ano.

9 comentários:

juliana coelho disse...

conto fofo, coisa fofa. :)

Paloma disse...

Ah, delícia de conto! Acabei de comprar seu livro e vim correndo aqui conhecer o blog. Duplo prazer: livro novo e todo seu universo por desvendar. Está linkada para eu reconhecer o caminho de volta.
Um abraço.

Thaís disse...

Mais doce que doce de batata doce.
Quase inocente como o primeiro dia de primavera.
Lindo!

marta disse...

Oi, adorei seu blog!!

=)

ROQUE RASCUNHO disse...

Sensacional!!!! O solo aqui é fértil demais, como acho seu livro? Muito bom mesmo!!! E muito obrigado pelas visitas e pelos coments!!! bjo grande!

Katrina disse...

A poucos passos de Vênus e da cancela

Leo Lazzini disse...

valeu a visita no blog!!! num eh ritmo nao, he gingado!! huaha

abracao, sucesso

Anônimo disse...

Lindo mesmo! Beijos, Carol e Giuseppe.

Anônimo disse...

jjfaçjfdjfç