terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

No carnaval da avenida



Entorpecida de cerveja e cachaça ela beija. Na mesa do bar traquina um pé. Na avenida samba reinando. No brilho da purpurina ela é a que mais cintila e do alto do seu salto governa um mundo. Na quinta feira depois das cinzas, vencedora ou perdedora, ela tira a camisa amarela, a máscara dos olhos, a fantasia dos pensamentos, toma o ônibus às cinco da manhã e por duas horas cochila no sacolejo, primeiro pelas vielas estreitas, depois por largas avenidas, e enterra o carnaval na faxina da madame.

3 comentários:

Henrique disse...

coitada... Eu to aprendendo trazer carnaval pro ano inteiro! Ótima volta ao trabalho, só precisa voltar com mais malandragem, molejo, jogo de cintura!

Feliz carnaval

Cogumela =) disse...

Não faço carnaval pq meus pais nunca gostaram.

Acho que se tivesse companhia, gostaria.

As diaristas são as mais felizes!!! ^^

beijo!

Elis disse...

as diaristas tb merecem ouvir sambinhas e dançar sob a chuva de confete e serpetinas....